Comissão de Enfermagem da UNICAMP: 30 HORAS JÁ! É preciso lutar! É possível vencer!


19/04/2013


A hora é agora! Palavra empenhada deve ser cumprida!

A intransigência do governo e a submissão da Câmara revoltam categoria e podem levar a paralisações da Enfermagem

Em 2010, durante o processo eleitoral, a então candidata Dilma Rousseff e seu coordenador de campanha, hoje ministro da Saúde, Alexandre Padilha, assumiram o compromisso de apoiar a aprovação do Projeto de Lei 2.295/00 e adotar as medidas necessárias para a implantação da jornada de 30 horas semanais para a enfermagem brasileira. Mesmo diante de toda a mobilização das entidades sindicais e de classe que representam a categoria, reunidas no Fórum Nacional 30 hora já!, o compromisso vem sendo ignorado pelo governo. Aliada ao descaso do Executivo, a submissão da Câmara dos Deputados é mais um empecilho para a votação da proposta. No último ato público, dia 9 de abril, os profissionais, revoltados, aprovaram proposta de paralisações como último recurso para conquistar o direito previsto na Constituição Federal de 1988.

Durante o ato público, coordenadores do Fórum – formado pela CNTS, FNE, ABEn, Cofen e Anaten –, foram recebidos pelo ministro Padilha, que impôs duas condições do governo para apoiar a proposta na Câmara: excluir da jornada de 30 horas os profissionais vinculados ao Programa Saúde da Família e implantação escalonada da nova jornada por tempo ainda não definido. Padilha disse que se não houver acordo quanto aos dois pontos, o governo vai agir para que o projeto não seja colocado em pauta de votação e, se o for, vai orientar a bancada governista para que votem contra ou esvaziem o plenário para que não tenha o quórum necessário para aprovação.

Em reação à postura do governo, a plenária, que superlotou o auditório Nereu Ramos, da Câmara, respondeu com a possibilidade de paralisação e com aviso de que não votarão, em 2014, naqueles que forem contrários ao PL 2.295 e/ou se ausentarem do plenário quando da votação. “Ô, Padilha, pode esperar. A enfermagem vai parar”, gritavam em coro os manifestantes.

O PL 2.295, que regulamenta a jornada dos profissionais da enfermagem, está pronto para ser votado no plenário da Câmara dos Deputados, inclusive com aprovação de regime de urgência. Ano passado, chegou a entrar na pauta, mas, por manobra do governo, deputados da base aliada deixaram o plenário ou não assinaram a lista de presença para que não houvesse quórum para a votação. Vários deputados levaram à mesa diretora da Casa requerimento para inclusão do projeto na ordem do dia; por diversas vezes os líderes de bancadas assinaram documento de apoio para votação urgente da proposta; infelizmente, como já denunciado por deputados realmente engajados na causa, não passa de discurso diante da categoria. Ainda durante o ato de 9 de abril, o presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) se comprometeu a levar o tema para a reunião de lideranças, dia 16 de abril. Ele também não cumpriu a palavra dada e nenhum dos líderes defendeu a proposta na reunião.

 

A jornada de 30h é um direito do trabalhador de enfermagem e uma garantia de qualidade de assistência. Estudos realizados pelo Ministério da Saúde, em parceria com os setores filantrópico, privado e as organizações de enfermagem que compõem o Fórum, demonstram que o impacto financeiro para o governo é muito pequeno. No entanto, para a categoria e para a sociedade, as consequências são altamente positivas, resultando em cuidados mais seguros e de qualidade e em melhores condições no ambiente de trabalho.

A enfermagem brasileira é a única categoria presente 24 horas nos serviços de saúde e responsável por mais de 70% das ações assistenciais. Por sua importância e dedicação exige respeito e valorização. E não aceita mais as vãs promessas e os discursos que não se concretizam nos atos do governo e nas atividades parlamentares.

Nota da CNTS e FNE

Quem baterá o martelo pela enfermagem?

Acaba a reunião do Colégio de Líderes e mais uma vez a Enfermagem é desrespeitada. Dos 17 líderes e incluindo o presidente da Câmara, nenhum apontou o PL 2.295/00 como tendo prioridade para ser votado.

Lembramos que esse PL tramita há 13 anos na Câmara Federal e que todas as vezes que a enfermagem realiza atos públicos na Capital federal, vários deputados fazem belos discursos em defesa da enfermagem, mas na hora de agir contra o movimento mão de ferro do governo, que é contrário às 30 horas para o Programa Saúde da Família, nada fazem.

No último dia 09.04.13, o presidente da Casa, deputado Henrique Eduardo Alves, prometeu apontar uma data para votar o PL 2.295/00 e não cumpriu.

A FNE e a CNTS orientam os profissionais de enfermagem a organizarem-se politicamente e realizarem seus movimentos estaduais, a exemplo das campanhas governamentais, em repúdio ao descompromisso da Câmara e Ministério da Saúde com a enfermagem brasileira.

Estamos de olho!

FONTE: CNTS

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 15h34
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Tadeu é o novo reitor da UNICAMP

O engenheiro de alimentos José Tadeu Jorge foi confirmado pelo governador Geraldo Alckmin, na tarde desta quinta-feira (18), como o novo reitor da Unicamp para o período 2013-2017. A informação foi divulgada pela assessoria de imprensa do Palácio dos Bandeirantes. A nomeação será publicada na edição do  Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (19).

Há duas semanas o governador recebeu a lista tríplice elaborada pelo Conselho Universitário (Consu) da Universidade em que o nome de Tadeu Jorge aparecia em primeiro lugar. Compunham ainda a lista o médico Mário Saad, que ficou em segundo lugar, e o engenheiro eletricista, José Claudio Geromel, em terceiro.

A lista reflete o resultado da consulta feita junto à comunidade universitária para a escolha do novo reitor. No primeiro turno da consulta, que contou com a participação de quatro candidatos, Tadeu Jorge obteve 48,3% dos votos, seguido por Saad (40,08%), Geromel (6,7%) e Edgar Salvadori De Decca (4,93%). Os dois primeiros colocados disputaram o segundo turno, ocasião em que Tadeu Jorge recebeu 53,32% dos votos e Saad, 46,68%. O primeiro colocado na lista tríplice teve como companheiro de chapa para o cargo de coordenador geral da Universidade o geólogo Alvaro Crósta.

O novo gestor assumirá um mandato de quatro anos à frente de uma das mais destacadas universidades da América Latina, responsável por 15% da pesquisa acadêmica no Brasil, líder em patentes no meio universitário nacional e situada entre as 50 melhores do mundo com menos de 50 anos, segundo ranking do Times Higher Education (THE).

O próximo reitor será o 11º na linha de sucessão de Zeferino Vaz (1966-1978). Antes dele vieram o microbiologista Plínio Alves de Moraes (1978-1982), o ginecologista José Aristodemo Pinotti (1982-1986), o economista Paulo Renato Souza (1986-1990), o linguista Carlos Vogt (1990-1994), o pediatra José Martins Filho (1994-1998), o engenheiro de eletrônica Hermano Tavares (1998-2002), o físico e engenheiro de eletrônica Carlos Henrique de Brito Cruz (2002-2005), o engenheiro de alimentos José Tadeu Jorge (2005-2009) e o médico hematologista Fernando Ferreira Costa (2009-2013).

Tadeu Jorge assumirá a reitoria pela segunda vez, depois de ter dirigido a Unicamp no período 2005-2009. O fato é inédito na história da instituição. O novo reitor é professor titular na Faculdade de Engenharia Agrícola (Feagri) da Unicamp. Graduou-se em Engenharia de Alimentos na Unicamp (1975), onde também realizou mestrado em Tecnologia de Alimentos (1977) e doutorado em Ciências de Alimentos (1981), concentrando suas pesquisas na área de tecnologia pós-colheita, na qual estudou produtos minimamente processados, armazenamento de produtos agrícolas e propriedades físicas de materiais biológicos.

Em 1992 titulou-se professor livre docente, professor adjunto em 1995 e professor titular em 1996. Foi diretor da Feagri de 1987 a 1991, diretor executivo da Funcamp de 1990 a 1992, chefe de gabinete da Reitoria de 1992 a 1994, pró-reitor de Desenvolvimento Universitário de 1994 a 1998, novamente diretor da Feagri de 1999 a 2002, vice-reitor da Unicamp de 2002 a 2005 e reitor da Unicamp de 2005 a 2009.

Exerceu o cargo de secretário municipal da Educação de Campinas de 2009 a 2011. Foi membro do Conselho Superior da Fapesp de 2006 a 2012. Participou de vários conselhos/comitês, destacando-se: Memorial da América Latina, TV Cultura – Fundação Padre Anchieta, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Rede Universia Brasil, Companhia de Desenvolvimento do Pólo de Alta Tecnologia de Campinas (Ciatec), Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia – CREA/SP. Presidiu a Associação Brasileira de Engenheiros de Alimentos. É membro do Conselho Superior de Estudos Avançados da Fiesp desde 2008.

Leia nota sobre nomeação divulgada pelo Palácio dos Bandeirantes

Tadeu vence consulta para reitor

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 09h54
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

18/04/2013


Traidores da Enfermagem!

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 11h30
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

17/04/2013


Resultado da Reunião do Colégio de Líderes de terça-feira 16/04

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 11h23
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

12/04/2013


Atenção! Colegas da Enfermagem do estado de São Paulo:

Colegas da Enfermagem do estado de São Paulo:

É muito importante que você cobre a posição favorável à aprovação do projeto das 30 HORAS dos deputados federais eleitos por nós!

Nosso estado tem 70 deputados federais.

Faça a sua parte! É muito simples:

Segue abaixo a lista de E-mail dos deputados federais pelo estado de SP:

Copie e cole no campo para:

dep.abelardocamarinha@camara.gov.br, dep.alexandreleite@camara.gov.br, dep.alinecorrea@camara.gov.br, dep.antoniobulhoes@camara.gov.br, dep.antoniocarlosmendesthame@camara.gov.br, dep.arlindochinaglia@camara.gov.br, dep.arnaldofariadesa@camara.gov.br, dep.arnaldojardim@camara.gov.br, dep.betomansur@camara.gov.br, dep.brunafurlan@camara.gov.br, dep.candidovaccarezza@camara.gov.br, dep.carlosroberto@camara.gov.br, dep.carlossampaio@camara.gov.br, dep.carloszarattini@camara.gov.br, dep.delegadoprotogenes@camara.gov.br, dep.devanirribeiro@camara.gov.br, dep.dr.ubiali@camara.gov.br, dep.duartenogueira@camara.gov.br, dep.eleusespaiva@camara.gov.br, dep.elicorreafilho@camara.gov.br, dep.emanuelfernandes@camara.gov.br, dep.franciscochagas@camara.gov.br, dep.gabrielchalita@camara.gov.br, dep.guilhermecampos@camara.gov.br, dep.guilhermemussi@camara.gov.br, dep.iarabernardi@camara.gov.br, dep.ivanvalente@camara.gov.br, dep.janeterochapieta@camara.gov.br, dep.jeffersoncampos@camara.gov.br, dep.joaodado@camara.gov.br, dep.joaopaulocunha@camara.gov.br, dep.jorgetadeumudalen@camara.gov.br, dep.josegenoino@camara.gov.br, dep.josementor@camara.gov.br, dep.junjiabe@camara.gov.br, dep.keikoota@camara.gov.br, dep.luizfernandomachado@camara.gov.br, dep.luizaerundina@camara.gov.br, dep.maragabrilli@camara.gov.br, dep.marceloaguiar@camara.gov.br, dep.marciofranca@camara.gov.br, dep.miltonmonti@camara.gov.br, dep.missionariojoseolimpio@camara.gov.br, dep.nelsonmarquezelli@camara.gov.br, dep.newtonlima@camara.gov.br, dep.otoniellima@camara.gov.br, dep.pastormarcofeliciano@camara.gov.br, dep.paulofreire@camara.gov.br, dep.paulomaluf@camara.gov.br, dep.paulopereiradasilva@camara.gov.br, dep.pauloteixeira@camara.gov.br, dep.penna@camara.gov.br, dep.ricardoberzoini@camara.gov.br, dep.ricardoizar@camara.gov.br, dep.ricardotripoli@camara.gov.br, dep.robertodelucena@camara.gov.br, dep.robertofreire@camara.gov.br, dep.robertosantiago@camara.gov.br, dep.salvadorzimbaldi@camara.gov.br, dep.tiririca@camara.gov.br, dep.valdemarcostaneto@camara.gov.br, dep.vanderleimacris@camara.gov.br, dep.vanderleisiraque@camara.gov.br, dep.vazdelima@camara.gov.br, dep.vicentecandido@camara.gov.br, dep.vicentinho@camara.gov.br, dep.walterfeldman@camara.gov.br, dep.walterihoshi@camara.gov.br, dep.williamdib@camara.gov.br

 

Segue abaixo modelo de manifestação para ser enviada aos deputados federais:

Copie e cole no campo da mensagem:

Campinas - SP, 15 de abril de 2013.
 
Excelentíssimo(a)  Deputado(a),     
 
O Projeto 2295/2000, que regulamenta a jornada de trabalho de 30 horas para profissionais de Enfermagem, está pronto para ser votado pelo plenário da Câmara dos Deputados, depois de mais de 13 anos de tramitação.    
 
Em nome dos mais de trezentos e cinquenta mil profissionais de Enfermagem do estado de São Paulo, solicitamos Vossa intervenção favorável à inclusão urgente do PL 2295/2000 na pauta e ordem do dia para votação no Plenário da Câmara dos Deputados e Vosso voto a favor deste direito dos profissionais de Enfermagem e eleitores paulistas.    
 
A Enfermagem é responsável pelo cuidado às pessoas, do nascimento à morte. No exercício deste trabalho os profissionais de Enfermagem convivem com a dor, com o sofrimento e a doença, atuando em turnos ininterruptos, sábados, domingos e feriados, durante as 24 horas dos 365 dias do ano.    
 
Contamos com Vossa sensibilidade e apoio para a aprovação de um direito desta profissão tão importante e cujo trabalho tem impacto significativo na qualidade dos serviços de saúde prestados à população.    
 
A jornada de trabalho de 30 horas semanais não é privilégio, mas uma necessidade para o provimento de uma assistência segura, com melhores resultados para os usuários e com menor desgaste físico e emocional para os profissionais de Enfermagem. As Conferências de Saúde realizadas no Brasil, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendam 30 horas como a jornada de trabalho mais adequada para profissionais de saúde.    
 
O Congresso Nacional já votou projetos que regulamentam a jornada de trabalho de médicos (20 horas semanais), técnicos em radiologia (24 horas semanais), fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais (30 horas) e dos assistentes sociais (30 horas).
 
É hora de fazer justiça também com os profissionais de Enfermagem, aprovando o PL 2295/2000.    
 
Os profissionais de Enfermagem e eleitores do estado de São Paulo contam com vosso voto pela Enfermagem paulista!     
 
Respeitosamente,    

--

Enfº Adilton Dorival Leite

 

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 18h26
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

11/04/2013


30 horas já! Enfermagem pressiona e presidente da Câmara promete definir data para votar PL 2.295 dia 16 próximo

Em mais um grande ato público pela regulamentação da jornada de trabalho, cerca de cinco mil profissionais da enfermagem realizaram caminhada pela Esplanada dos Ministérios, na manhã desta terça-feira, 9, cobrando a votação do Projeto de Lei 2.295/00 em regime de urgência na Câmara dos Deputados. Lideranças do Fórum 30 horas já!, acompanhadas de deputados favoráveis à jornada de 30 horas semanais, ouviram do presidente da Casa, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), o compromisso de buscar junto aos líderes de bancadas, em reunião do próximo dia 16, a definição da data para levar a proposta ao plenário. A mobilização contou, ainda, com audiência pública para debater a jornada e outras questões da categoria.

 
A partir das 9h houve concentração em frente a Catedral de Brasília, no início da Esplanada, de onde os manifestantes saíram em caminhada até o Ministério da Saúde, onde os enfermeiros fizeram um “apitaço” e proferiram palavras de ordem, cobrando de Alexandre Padilha que cumpra o compromisso assumido com a enfermagem de apoiar a reivindicação. “A luta dos profissionais da enfermagem é histórica. Vem desde 1955, quando já existiam projetos de lei que pensavam numa jornada especial, justamente pela peculiaridade do setor, pelo excesso de trabalho e estresse, entre outros problemas”, destacava o secretário-geral da CNTS, Valdirlei Castagna, do carro de som.
 
Coordenadores do Fórum, formado pela CNTS, FNE, ABEn, Cofen e Anaten, foram recebidos pelo ministro, que impôs duas condições do governo para apoiar a proposta na Câmara: excluir da jornada de 30 horas os profissionais vinculados ao Programa Saúde da Família e implantação escalonada da nova jornada por tempo ainda não definido.
 
Os manifestantes continuaram a caminhada, passando em frente ao Palácio do Planalto, cobrando da presidente Dilma Rousseff que a palavra dada quando candidata de que apoiaria o projeto em tramitação na Câmara, bem como implantaria as condições para que a jornada de 30 horas fosse implantada, em nome da valorização da enfermagem e da qualidade dos serviços prestados à sociedade. “Os profissionais estão se afastando de suas atividades por causa de doenças provocadas pela sobrecarga da jornada e pelas péssimas condições de trabalho”, lembrou o presidente da CNTS, José Lião de Almeida.
 
Em seguida, se concentraram em frente o Congresso Nacional e, depois, participaram da audiência pública realizada pela Comissão de Legislação Participativa, por requerimento do deputado Dr. Grilo. O presidente da Comissão, deputado Lincoln Portela (PR-MG), disse que o assunto é visto com simpatia pelas lideranças partidárias e que este é o momento de uma ação política para aprovação do projeto. “O tema é bem recebido. Há, claro, um trabalho feito pelos hospitais, pelas Santas Casas. Então, é um trabalho difícil de ser feito, mas nada é impossível”, avaliou.
 
“Assumi a responsabilidade da Frente em Defesa da Enfermagem, esta categoria tão grande e importante para o país e vamos lutar até alcançar a vitória”, reafirmou o presidente da Frente parlamentar, deputado Wilson Filho (PMDB-PB). “Vocês trabalham para que os brasileiros vivam, mas a enfermagem está morrendo, esperando há 13 anos por uma jornada digna de trabalho”, acrescentou. “É uma vergonha um projeto como este, essencial para o bem de todos que precisam da enfermagem do Brasil, ficar 13 anos sem aprovação. E está mais do que provado que o impacto financeiro é insignificante”, reagiu Dr. Grilo.
 
De acordo com a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), que acompanhou os profissionais na audiência com o presidente da Câmara, a proposta tem apoio de muitos líderes para aprovação. Feghali também acusou os hospitais particulares de fazerem pressão para que o projeto não seja votado. “O setor privado de saúde pressiona contra a votação e justifica com o argumento de que não poderá contratar profissionais com a redução da carga horária. Mas não pararemos de fazer o esforço junto aos líderes. Nossa atuação não é nenhum favor, é obrigação responder a quem nos colocou aqui com nosso trabalho e nosso compromisso. Temos que dizer e agir”.
 
A deputada, que é secretária da frente, ressaltou que é preciso cobrar o compromisso assumido por Dilma e Padilha. “Não tenho dúvida do compromisso de vocês com o SUS, com os usuários do sistema e do que é o trabalho de vocês, mas precisamos quebrar barreiras. Esta é uma bandeira ampla e suprapartidária. O ano de aprovar o projeto é este e a hora é agora”, disse.
 
Inúmeros deputados falaram em defesa da proposta, ressaltando a desilusão dos profissionais para com a Câmara dos Deputados; reforçando a avaliação de que o impacto financeiro é mínimo diante dos benefícios para os trabalhadores e a sociedade; lembrando que erros são cometidos por profissionais por conta do desgaste físico e emocional em decorrência da extensa jornada de trabalho; e questionando se a preocupação com a economia deve ser maior que o cuidado com a vida humana.
 
“O ministro Padilha disse que se não houver acordo quanto à redução escalonada da jornada e exclusão dos profissionais do PSF, o governo vai agir para que o projeto não seja colocado em pauta de votação e se o for, vai orientar a bancada governista para que votem contra ou esvaziem o plenário para que não tenha o quórum necessário para aprovação”, anunciou Solange Caetano, presidente da Federação Nacional dos Enfermeiros - FNE e coordenadora nacional do Fórum.
 
Para o diretor Social e de Assuntos Legislativos da CNTS, Mário Jorge dos Santos Filho, membro da coordenação do Fórum, quem promete, deve. “A presidente Dilma e o ministro Padilha prometeram, assinaram e estão trabalhando contra a regulamentação da jornada”, disse, lembrando que o projeto só não foi aprovado ano passado por conta de manobra do governo para reduzir o quórum em plenário. “A enfermagem vive doente, exposta a riscos biológicos, a condições precárias de trabalho e a agressões físicas. Mente e corpo cansados interferem na qualidade da assistência à população”.
 
Em reação à postura do governo, a plenária, que superlotou o auditório Nereu Ramos, respondeu com a possibilidade de paralisação e com aviso de que não votarão, em 2014, naqueles que forem contrários ao PL 2.295 e/ou se ausentarem do plenário quando da votação. A possibilidade de os profissionais da enfermagem não participarem da campanha de vacinação infantil, marcada para 20 de abril, não está descartada caso, até lá, não haja uma resposta do governo e/ou da Câmara. “Ô, Padilha, pode esperar. A enfermagem vai parar”, gritavam em coro os manifestantes.
FONTE: CNTS
 
 

 

    

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 17h14
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Regulamentação para 30h: Entenda o PL 2295/00

Na página da internet da Câmara dos Deputados é possível acompanhar todas as etapas do Projeto de Lei

O PL 2295, apresentado em janeiro de 2000, é uma das reivindicações dos profissionais de Enfermagem -enfermeiros, técnicos e auxiliares, que estabelece a jornada de trabalho aos profissionais de enfermagem em 30 horas semanais. O projeto está pronto para ser votado, mas aguarda ser colocado na pauta da votação na Câmara Federal.

Em meados no ano passado, O PL 2295/0 estava na pauta de votação do Plenário da Câmara dos Deputados, mas sua votação foi adiada pelo líder do governo, Arlindo Chinaglia (PT-SP).

Na página da internet da Câmara dos Deputados é possível acompanhar todas as etapas do Projeto de Lei, acessando:

http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=17915.

Fonte: Portal Cofen

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 17h05
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Presidente do Cofen defende as “30 horas” em discurso na Câmara dos Deputados

Representantes de vários órgãos da área da Enfermagem, deputados e profissionais que vieram de todos os estados brasileiros lotaram o auditório Nereu Ramos:

Representantes de vários órgãos da área da Enfermagem, deputados e profissionais que vieram de todos os estados brasileiros lotaram o auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados, na tarde da última terça-feira (9), após a passeata pela manhã na Esplanada dos Ministérios, com a participação de milhares de pessoas. O objetivo é sensibilizar os parlamentares para que a votação do PL 2295/2000 seja colocada em pauta.

O Presidente do Conselho Federal de Enfermagem, Osvaldo Albuquerque, foi aplaudido quando enfatizou a importância da aprovação do projeto de regulamentação da jornada de trabalho em sua fala, na tribuna do auditório.

“A Enfermagem Brasileira é formada por 1,8 mi de profissionais, porém, este benefício não visa apenas à categoria, mas aos 190 milhões de brasileiros. Não há nenhum indivíduo neste País que não precise de uma assistência de enfermagem com qualidade”, afirmou o Presidente.

Segundo o Deputado Wilson Filho, que também compôs a mesa, “a redução da jornada de trabalho é essencial para garantir o bom desempenho na assistência à população. Os profissionais da enfermagem exercem atividades que implicam vários riscos à sua saúde, mental e física e necessitam melhores condições para o exercício da sua função”.

A manifestação na Esplanada e o encontro com o Presidente da Câmara motivou a categoria, principalmente com a promessa de Henrique Alves em definir data para a votação do PL 2295/00 na próxima semana.

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 17h03
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Audiência debate redução de carga horária para a Enfermagem

O evento faz parte do Mobiliza Enfermagem

A Comissão de Legislação Participativa promove hoje, a partir das 14 horas, seminário sobre a regulamentação da jornada de trabalho dos profissionais de enfermagem. Um dos objetivos do evento é pedir a votação do Projeto de Lei 2295/00, que fixa em 30 horas a carga de trabalho semanal de enfermeiros, técnicos, auxiliares de enfermagem e parteiras, e está pronto para ser analisado pelo Plenário.

No setor privado, a carga de trabalho da categoria hoje é a da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT – Decreto-Lei 5452/43), fixada em 44 horas semanais. No setor público, muito estados e municípios já adotam 30 horas.

A intenção do projeto é assegurar isonomia dessa categoria com outros profissionais de saúde, como fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais. “Não há intenção de criar privilégios, mas reconhecer a importância e a singularidade da natureza dos serviços desses profissionais da saúde”, afirma o deputado Dr. Grilo (PSL-MG), que propôs o seminário.

“Hoje os profissionais da enfermagem são submetidos a cargas horárias altíssimas, recebem muito pouco e, muitas vezes, têm que acumular dois, três empregos para ter um salário muitas vezes pequeno. Até somando esses dois, três empregos, é uma remuneração muito baixa”, acrescenta o parlamentar.

Audiência debate redução de carga horária para a Enfermagem, 5.0 out of 5 based on 2 ratings

Fonte: Cofen/Agência Câmara

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 17h01
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Reunião com presidente da Câmara dos Deputados reivindica aprovação do projeto das “30 Horas”

Representantes do “Fórum Nacional 30h já” e da luta pela aprovação do Projeto de Lei 2.295/2000 se reuniram com o presidente da Câmara

Representantes do “Fórum Nacional 30h já” e da luta pela aprovação do Projeto de Lei 2.295/2000 se reuniram com o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, no início da tarde da última terça (9) para pressionarem a votação do PL e discutirem os impactos da aprovação e os motivos pelos quais até hoje ainda não foi apreciado pelo Plenário da Câmara.

A Deputada Estadual Enfermeira Rejane Dias, do Rio de Janeiro, iniciou a conversa relatando a história da regulamentação da jornada da Enfermagem, assim como os empecilhos que retardam o andamento da tramitação. “Somos quase 2 milhões de trabalhadores lutando pela causa”, ressalta a Deputada. Prossegue a deputada afirmando que “a maioria das categorias da saúde já tem a regulamentação de suas jornadas, portanto, a Enfermagem apenas deseja concretizar sua luta de mais de 13 anos, já que é a principal força de trabalho da rede pública de saúde”.

Osvaldo Albuquerque, presidente interino do Conselho Federal de Enfermagem, reforçou que mais de 400 assinaturas de Deputados Federais, que apóiam o projeto, já foram recolhidas, reforçando a grande chance de vitória se o projeto for colocado em votação.

Foi lembrado, ainda, o compromisso da Presidente Dilma Rousseff com a aprovação do PL, em carta assinada em sua campanha eleitoral de 2010 e ratificada pelo Ministro Alexandre Padilha, coordenador nacional da campanha na época. Em seu texto, a Presidente se compromete com a Enfermagem a fim de garantir a regulamentação.

Haverá nova reunião para que seja decidido quando poderá entrar em pauta a votação do PL. “Eu me comprometo, de que na reunião dos líderes, colocarei o assunto em análise” prometeu o deputado Henrique Eduardo Alves. “Nós contamos com seu apoio na reunião de líderes”, reforçou o Deputado Wilson Filho, Líder da Frente Parlamentar em Defesa da Enfermagem.

Estiveram presentes na reunião representando o Cofen o Presidente Osvaldo Albuquerque, o Conselheiro Federal Antônio Marcos Freire Gomes e o Assessor de Assuntos Institucionais, Manoel Neri, assim como o Deputado Federal Wilson Filho, Deputada Federal Jandira Feghali, Deputada Estadual Rejane e entidades representativas da Enfermagem.

Reunião com presidente da Câmara dos Deputados reivindica aprovação do projeto das “30 Horas”

Fonte: Cofen

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 16h58
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Enfermagem cobra compromisso da Presidenta Dilma

Diversos profissionais de todo o país estiveram em frente ao Palácio do Planalto e ecoaram gritos pelas 30 horas semanais

Entre as diversas reivindicações e compromissos exigidos por todos os representantes da Enfermagem presentes no Mobiliza Enfermagem do dia 9 de abril, um ponto sempre enfatizado foi o compromisso da Presidenta Dilma Rousseff. Em carta assinada em sua campanha eleitoral em 2010, Dilma se compromete com a Enfermagem a fim de garantir a regulamentação da jornada para 30h semanais. A Carta ainda foi ratificada pelo Ministro Alexandre Padilha, então coordenador nacional da campanha.

Confira abaixo a Carta assinada pela Presidenta:

No Ato Público realizado nesta terça-feira (9), diversos profissionais de todo o país estiveram em frente ao Palácio do Planalto e ecoaram gritos pelas 30 horas semanais.

Fonte: Portal Cofen

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 16h53
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Ato Público: Enfermagem brasileira reivindica regulamentação da jornada para 30h

O ato reuniu diversas entidades como: Cofen, CNTS, FNE, ABEn, ANATEn e ENEEnf.
No início da manhã desta terça-feira (9), caravanas de todos os estados brasileiros lotavam a Esplanada dos Ministérios com milhares de profissionais da Enfermagem brasileira.  Em coro de “30 horas Já!”, auxiliares, técnicos de enfermagem e enfermeiros de todo o país exigiam a votação do Projeto de Lei 2295/00 que fixa em 30 horas a jornada de trabalho para a Enfermagem. O Ato Público, conhecido como Mobiliza Enfermagem, é organizado pelo “Fórum 30 horas Já: Enfermagem unida por um objeto” que reúne diversas entidades representativas da Enfermagem: Cofen, CNTS, FNE, ABEn, ANATEn e  ENEEnf.

A concentração dos profissionais ocorreu em frente à Catedral de Brasília e seguiu em direção ao Palácio do Planalto. Para o Presidente interino do Conselho Federal de Enfermagem, Osvaldo Albuquerque, “a regulamentação em 30 horas semanais é um benefício para toda a população brasileira que passará a ter profissionais com mais qualidade na prestação da assistência à saúde”, afirma. A regulamentação tem como objetivo acabar com a precarização das condições de trabalho de milhares de profissionais de todo o país.

 

Diversos Conselheiros e Presidentes de Conselhos Regionais também compareceram no Ato, entre eles o Presidente do Coren-ES, Antonio Coutinho, e o ex-Presidente do Cofen, Manoel Carlos Neri da Silva. A Conselheira Federal Irene Ferreira, que participou de uma reunião com o Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, no momento que os profissionais ocupavam a Esplanada, e lembrou a importância da aprovação do PL 2295/00. “É condição sine qua non a regulamentação da jornada de trabalho para a qualidade do serviço prestado”, ressalta a Conselheira.

Já o Conselheiro Federal Antonio Marcos Freire também enfatizou que a ideia é sensibilizar não apenas as autoridades, mas a população de um modo geral para a causa da Enfermagem. “A nossa luta é de todos. Nossa luta é por uma Enfermagem mais digna e justa”, conclui. A Deputada estadual do Rio de Janeiro, Rejane de Almeida, lembrou que a luta pela regulamentação da jornada de trabalho já passa de 50 anos e que o movimento tem que se manter articulado para mostrar a sua força.


Ato Público: Enfermagem brasileira reivindica regulamentação da jornada para 30h
Fonte: Portal Cofen

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 16h50
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

08/04/2013


Caros Profissionais de Enfermagem:

esta carta deve ser usada por aqueles que não irão a Brasília para ser encaminha via E-mail
Ministro Padilha, Ministro Gilberto Carvalho (E-...mail: sg@planalto.gov.br),
Ministra Ideli Salvati (E-mail: sri.gabinete@presidencia.gov.br),
Ministra Gleisi Hoffmman (Acesse: http://www.casacivil.gov.br/fale-conosco)
e todos os Deputados (Acesse: http://www.abennacional.org.br/index.php?path=351).

Os profissionais podem colaborar com o movimento enchendo a caixa postal e pedindo a votação imediata do PL 2295/00.
SE VOCÊ CONCORDA, COMPARTILHE!

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 09h50
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Compromisso é para ser cumprido!

A hora é agora! - Enfermagem exige que Governo Federal cumpra com o compromisso assumido em campanha

Em 2010, durante a campanha eleitoral, a Presidenta Dilma Rousseff e o Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, assumiram o compromisso de apoiar a aprovação da jornada de 30 horas semanais para a enfermagem brasileira! O Projeto de Lei 2.295/00, que regulamenta a jornada de 30 horas, está pronto para ser votado no plenário da Câmara dos Deputados. A Enfermagem espera que os deputados reconheçam a importância do seu trabalho, aprovando o PL, e que a presidente Dilma sancione a lei! A hora é agora!

A jornada de 30h é um direito do trabalhador de enfermagem e uma garantia de qualidade de assistência. Estudos realizados pelo Ministério da Saúde, em parceria com os setores filantrópico, privado e as organizações de enfermagem, que compõem o Fórum nacional 30h Já – Enfermagem unida por um só objetivo –, demonstram que o impacto financeiro para o governo é muito pequeno.

No entanto, para a categoria e para a sociedade, as consequências são altamente positivas, resultando em cuidados mais seguros e de qualidade e em melhores condições no ambiente de trabalho. A enfermagem brasileira, presente 24h nos serviços de saúde e responsável por mais de 70% das ações assistenciais, espera que a presidente Dilma e o ministro Alexandre Padilha cumpram o compromisso assumido com a enfermagem.

Dirigentes da CNTS e de suas federações filiadas e sindicatos vinculados marcarão presença no ato público do próximo dia 9 de abril, em Brasília, cobrando, junto com as demais representações sindicais e de classe da categoria – FNE, Cofen, Anaten –, entre outras, e movimentos sociais, para exigir a regulamentação urgente da jornada de trabalho da enfermagem. Trata-se de medida de extrema importância e necessidade não apenas para esses profissionais, mas também para toda a sociedade. Todos ao ato de 9 de abril!

Nesta data comemora-se o Dia Mundial da Saúde, que traz como tema central a Hipertensão Arterial, definido pela Organização Mundial de Saúde, visando reduzir o número de infartos do miocárdio e acidentes cerebrovasculares. Segundo a OMS, é necessário conscientizar sobre as causas e consequências da hipertensão arterial para modificar comportamentos que provocam a hipertensão e chamar a atenção sobre a importância do seu controle.

 PALAVRA EMPENHADA DEVE SER CUMPRIDA! 30 HORAS JÁ!

Fonte: CNTS

 

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 09h46
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

05/04/2013


Seminário: REGULAMENTAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DA ENFERMAGEM

CÂMARA DOS DEPUTADOS

COMISSÃO DE LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA

Convida para

 

Seminário

REGULAMENTAÇÃO DA JORNADA DE TRABALHO DA ENFERMAGEM

09 de abril, terça-feira

14 horas

Auditório Nereu Ramos

 

Informações:

(61) 3216-6690

www.camara.leg.br/clp

bate papo online em tempo real: http://edemocracia.camara.gov.br/web/eventosinterativos

 

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 17h12
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

04/04/2013


MANIFESTAÇÃO DA ENFERMAGEM EM BRASÍLIA 09 DE ABRIL:

O ato acontecerá no dia 09/04, a partir das 9h da manhã, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

A convocação é uma iniciativa das organizações representativas da Enfermagem que compõem o Fórum Nacional 30 Horas Já!: COFEN, ABEN, FNE e CNTS.

A Comissão de Enfermagem do Complexo Hospitalar da Unicamp junto com o FÓRUM ESTADUAL SÃO PAULO 30 HORAS JÁ!

Participará do evento!

Está tudo certo para a nossa saída ÀS 18H DO DIA 8 DE ABRIL.

LOCAL: F1 do HC – EM FRENTE DA AGÊNCIA DO BANCO SANTANDER (ANTIGO BANCO REAL).  

Neste ato estamos juntos com o Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo, Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo, com apoio do Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp, Reitoria da Unicamp e do Deputado Federal Carlos Sampaio. 

Coordenação da Comissão de Enfermagem do Complexo Hospitalar da Unicamp.

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 17h45
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

03/04/2013


Marina Silva profere palestra na UNICAMP

Marina Silva, ex-ministra do Meio Ambiente, profere palestra no dia 5 de abril, às 9h30, no Auditório da Diretoria Geral da Administração (DGA).

Aborda: “Os desafios do desenvolvimento Sustentável”.

O governo da presidente Dilma Rousseff vem subtraindo as conquistas ambientais obtidas pela sociedade ao longo dos governos anteriores. Um dos retrocessos mais visíveis foi a reformulação do Código Florestal, que foi desfigurado para anistiar os desmatadores. A afirmação foi feita na manhã desta sexta-feira (5) pela ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, que esteve na Unicamp para ministrar a palestra intitulada “Os desafios do desenvolvimento sustentável”, a convite do Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (Nepam). Antes de falar a um público composto por estudantes, professores e funcionários da Universidade, que lotaram o auditório da Diretoria Geral da Administração (DGA), Marina deu uma breve entrevista ao Portal da Unicamp.

Que conceito de desenvolvimento sustentável a senhora defende?
A sustentabilidade não é apenas um adjetivo. É uma base material que precisa ser criada. Há também todo um sistema de valores que precisa ser transformado. A sustentabilidade, para mim, não é uma maneira de fazer. É uma maneira de ser, uma visão de mundo, um ideal de vida. Isso deve se traduzir naquilo que são os nossos projetos identificatórios. É preciso entender a sustentabilidade em várias dimensões: a econômica, a ambiental, a social e a cultural. É preciso que haja também a dimensão da sustentabilidade cultural, pois um modelo que elimina a diversidade não é sustentável. Nós temos uma grande riqueza cultural. Somos um país que conta com 220 povos que falam 180 línguas. Então, a preservação dessa diversidade faz parte da sustentabilidade. Obviamente, essas questões também precisam ser exercidas do ponto de vista ambiental. Precisamos utilizar com sabedoria os recursos disponíveis, para que as gerações futuras também possam ser beneficiadas por uma base natural que possibilite o desenvolvimento.

Quais os desafios mais importantes a serem superados para que o desenvolvimento sustentável seja alcançado?
O desafio mais importante a ser enfrentado é a mudança do próprio modelo. O modelo que nós temos hoje está estagnado. Está estagnado do ponto de vista econômico, social e ambiental. E essa estagnação é agravada por dois problemas que estão num plano mais intangível, que são a crise de valores e a crise política. Do ponto de vista político, há um forte questionamento no mundo todo sobre a qualidade da representação política e do alcance das instituições que temos hoje para atender à demanda de participação de 7 bilhões de seres humanos. Obviamente, há também um questionamento sobre a quantidade dessa representação. Poucos são os que estão incluídos no processo. A maioria virou expectadora da política. No Brasil, essa estagnação é muito forte, pois os partidos têm o monopólio da política. Então, o grande desafio está em mudar esse modelo estagnado e estabelecer outro que possa proporcionar mais qualidade de vida para as pessoas e um fazer econômico que não trate a ecologia como uma externalidade.

Como a senhora avalia as políticas públicas na área ambiental?
Infelizmente, estamos vivendo um grande retrocesso. Em todos os governos - alguns mais e outros menos – foram obtidas conquistas. E essas conquistas eram cumulativas. Em dois anos, em vez de acrescentar, o atual governo decidiu subtrair as conquistas alcançadas nos governos anteriores. Por exemplo: nós tínhamos um Código Florestal que protegia as florestas. Essa legislação foi completamente desfigurada em razão das medidas tomadas para anistiar os desmatadores. Além disso, tivemos uma medida completamente esdrúxula, que extraiu a competência do Ibama para fiscalizar os desmatamentos. Essa competência foi colocada nas mãos dos órgãos estaduais, que não têm estrutura viável para exercer essa função e ainda são suscetíveis a pressões locais. Então, estamos vivendo um momento difícil nessa agenda. A presidente ainda tem dois anos para reverter essa situação. Eu espero sinceramente que seja feita uma avaliação mais conscienciosa dessas questões. Em pleno século 21, com a grave crise ambiental que o mundo está vivendo, um país como o Brasil deveria estar na vanguarda desse processo. O país deveria estar quebrando paradigmas e integrando o esforço para demonstrar que é perfeitamente possível conciliar economia com ecologia. O que se está pedindo não é que se faça uma ruptura abrupta. O que se quer é que tenhamos políticas continuadas voltadas ao desenvolvimento sustentável. É um absurdo que o Brasil tenha um plano decenal de energia, mas não haja nele uma vírgula sequer sobre energia solar, justamente num país que tem a maior zona de insolação do planeta. A Alemanha, que quase não tem sol, tem 20% da sua matriz energética vinda da energia solar.

Frases

“As mudanças climáticas são o Armagedon da crise ambiental”

“Temos uma crise política, que se reflete na qualidade da representação. Os representantes acham que substituem os representados”

“Na base das crises política, social e ambiental está uma crise de valores. É esta crise de valores que faz com a economia seja separada da ecologia”

“Sustentabilidade, para mim, não é apenas uma maneira de fazer. É uma maneira de ser, um ideal de vida”

“Hoje, com a internet, a gente vive o ativismo autoral. É diferente do velho ativismo, que tinha sempre uma organização ou um líder carismático atrás ou na frente”

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 12h51
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

02/04/2013


Consu define lista tríplice para reitor Unicamp

02/04/2013 - 14:41

Conselho se reúne para votação

Conselho se reúne para votação

Conselheiros durante escrutínio

Conselheiros durante escrutínio

O Conselho Universitário da Unicamp (Consu), órgão máximo deliberativo da Universidade, definiu na manhã desta terça-feira (2), durante sessão extraordinária e por meio de votação secreta, a lista tríplice para a sucessão do reitor da instituição. A relação é encabeçada pelo engenheiro de alimentos José Tadeu Jorge, seguido pelo médico José Abdalla Saad e pelo engenheiro eletricista José Cláudio Geromel. Os nomes serão submetidos ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, a quem cabe a prerrogativa de indicar o novo dirigente, cujo mandato será de quatro anos (2013/2017).

A definição da lista tríplice ocorreu depois da realização de três escrutínios. No primeiro, Tadeu Jorge foi apontado para encabeçar a relação ao receber 53 votos. No segundo e terceiro, os nomes mais votados foram, respectivamente, Mário Saad (59) e Geromel (53). A lista reflete o resultado da consulta feita junto à comunidade universitária para a escolha do novo reitor.

No primeiro turno da consulta, que contou com a participação de quatro candidatos, Tadeu Jorge obteve 48,3% dos votos, seguido por Saad (40,08%), Geromel (6,7%) e Edgar Salvadori De Decca (4,93%). Os dois primeiros colocados disputaram o segundo turno, ocasião em que Tadeu Jorge recebeu 53,32% dos votos e Saad, 46,68%. O primeiro colocado na lista tríplice teve como companheiro de chapa para o cargo de coordenador geral da Universidade o geólogo Alvaro Crósta.

O próximo reitor será o 11º na linha de sucessão de Zeferino Vaz (1966-1978). Antes dele vieram o dentista Plínio Alves de Moraes (1978-1982), o ginecologista José Aristodemo Pinotti (1982-1986), o economista Paulo Renato Souza (1986-1990), o linguista Carlos Vogt (1990-1994), o pediatra José Martins Filho (1994-1998), o engenheiro de eletrônica Hermano Tavares (1998-2002), o físico e engenheiro de eletrônica Carlos Henrique de Brito Cruz (2002-2005), o engenheiro de alimentos José Tadeu Jorge (2005-2009) e o médico hematologista Fernando Ferreira Costa (2009-2013).

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 17h57
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

25/03/2013


Caravana da Enfermagem/UNICAMP - Manifestação em Brasília 09 de abril Esplanada dos Ministérios

O 'Fórum Nacional 30 Horas Já: Enfermagem Unida por um objetivo' e a Comissão de Enfermagem do Complexo Hospitalar da UNICAMP convocam todos os profissionais da Enfermagem (Enfermeiros, Técnicos e Auxiliares de Enfermagem) para participarem do movimento para a aprovação do PL 2295/00 que regulamenta a jornada de trabalho para 30 horas semanais para os profissionais de Enfermagem.


O ato acontecerá no dia 09/04, a partir das 9h da manhã, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília.

A convocação é uma iniciativa das organizações representativas da Enfermagem que compõem o Fórum: COFEN, ABEN, FNE e CNTS.

ÔNIBUS CEDIDO PELO CORENSP SAINDO DA UNICAMP ÀS 18H DO DIA 8 DE ABRIL.
LOCAL: F1 HC – EM FRENTE DA AGÊNCIA DO BANCO SANTANDER (ANTIGO BANCO REAL) – retorno de Brasília no dia 09/04 às 18H

Informações:

Adilton/CAISM: Ramal 19414
Édina/CAISM: Ramal 19179
Diva/Paula HC: Ramal 17464

preencher A FICHA DE INSCRIÇÃO e devolver para Adilton, Edina ou Creusa no CAISM
Diva ou Paula no HC
ou por email: adilton@unicamp.br
devolver até 26 de março terça-feira


F. (19) 3521.9414

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 17h45
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

22/03/2013


Vítória da UNICAMP de todos os saberes!



Com 53,32% dos votos válidos, o engenheiro de alimentos José Tadeu Jorge foi o vencedor no segundo turno da consulta indicativa para a escolha do próximo reitor da Unicamp. A apuração dos votos terminou por volta das 2h15 desta sexta-feira (22), no Ginásio da Faculdade de Educação Física. O médico Mario José Abdalla Saad teve 46,68% dos votos. Tadeu tem o geólogo Álvaro Crosta como seu companheiro de chapa para o cargo de coordenador-geral da Unicamp. A votação foi realizada nos campi de Campinas, Limeira e Piracicaba.

Dos 1.655 docentes que compareceram às urnas, 771 votaram em Tadeu e 839 em Saad. Já entre os 5.943 funcionários que participaram do pleito, 4.038 votaram em Tadeu, contra 1.592 em Saad. E dos 4.190 estudantes que participaram do segundo turno, 2.084 votaram em Tadeu enquanto 2.009 preferiram Saad. As abstenções atingiram 16,03% entre docentes; 21,52% entre funcionários; e 83,91% entre estudantes.

Após a apuração, Tadeu foi recepcionado com festa pelos correligionários que acompanharam a contagem dos votos no Ginásio da FEF. “Recebo o resultado como um sinal de reconhecimento e aprovação da comunidade acadêmica à minha primeira gestão à frente da reitoria”, disse Tadeu, que ocupou o cargo de reitor no período 2005-2009. “Além disso, as urnas também demonstraram a confiança dos eleitores nesse novo programa, da sua viabilidade e da sua sintonia com as necessidades da Unicamp”, completou.

O resultado da consulta será agora encaminhado ao Conselho Universitário (Consu) da Unicamp, que se reúne em sessão extraordinária no início de abril para aprovar a lista tríplice. A prerrogativa de escolher o próximo reitor é do governador do Estado, com base na lista tríplice elaborada pelo Consu.

O novo reitor tomará posse em abril para um mandato de quatro anos à frente de uma das mais destacadas universidades da América Latina, responsável por 15% da pesquisa acadêmica no Brasil, líder em patentes no meio universitário nacional e situada entre as 50 melhores do mundo com menos de 50 anos, segundo ranking do Times Higher Education (THE).

Tadeu é professor titular na Faculdade de Engenharia Agrícola (Feagri) da Unicamp. Graduou-se em Engenharia de Alimentos na Unicamp (1975), onde também realizou mestrado em Tecnologia de Alimentos (1977) e doutorado em Ciências de Alimentos (1981), concentrando suas pesquisas na área de tecnologia pós-colheita, na qual estudou produtos minimamente processados, armazenamento de produtos agrícolas e propriedades físicas de materiais biológicos. Em 1992 titulou-se professor livre docente, professor adjunto em 1995 e professor titular em 1996. Foi diretor da Feagri de 1987 a 1991, diretor executivo da Funcamp de 1990 a 1992, chefe de gabinete da Reitoria de 1992 a 1994, pró-reitor de Desenvolvimento Universitário de 1994 a 1998, novamente diretor da Feagri de 1999 a 2002, coordenador-geral da Unicamp de 2002 a 2005 e reitor da Unicamp de 2005 a 2009.

Resultado final da Consulta Unicamp 2013

 

Escrito por Postado por Adilton D. Leite às 14h22
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Perfil

Meu perfil
BRASIL, Sudeste, CAMPINAS, Cidade Universitária - Zeferino Vaz, Homem, de 26 a 35 anos, Portuguese
MSN - adilton_leite@hotmail.com

Histórico